Matérias

Mulheres ganham aliado tecnológico na hora de se vestirem

Empresária Rejane Maria Lamounier França criou a Stella, startup que oferece um aplicativo que avalia o estilo das mulheres

Redação Sou BH - 23/02/15 as 12:19 - Atualizado em 23/02/15 as 12:32

Mulheres ganham aliado tecnológico na hora de se vestirem
O "Stella" oferece um aplicativo que avalia o estilo das mulheres Foto: Banco de imagens

Acertar na forma de vestir em todas as ocasiões não costuma ser uma tarefa fácil para a maioria das mulheres. Diante do espelho, elas sempre ficam na dúvida se a combinação está realmente correta e quais são os limites entre arriscar algo diferente e errar no look. Enxergando nessa situação uma oportunidade de negócio, a empresária Rejane Maria Lamounier França criou a Stella, startup que oferece um aplicativo que avalia o estilo das mulheres. 

A empresa foi recentemente aprovada no programa do governo federal Start-UP Brasil e será acelerada pela Acelera-MGTI, em Belo Horizonte. A empresa ainda está na fase de desenvolvimento do aplicativo, mas a expectativa é de que ele seja lançado até o meio de deste ano. Segundo a fundadora da startup, a dificuldade de encontrar o estilo adequado para se vestir é uma dificuldade para muitas mulheres. Isso porque além de precisarem estar ligadas às tendências elas precisam de tempo para pensar nos looks, o que é difícil para quem tem uma rotina agitada. "Nossos armários são pequenos e logo de manhã precisamos escolher a roupa do dia. Na correria, as pessoas acabam pegando o que é mais fácil e fazem sempre as mesmas combinações", diz. 

Segundo ela, o objetivo da Stella é ensinar as mulheres a se vestirem da forma adequada e prática. O aplicativo é baseado em algorítimos construídos a partir da mineração de dados colhidos na internet. Esse conhecimento foi todo desenvolvido por pesquisadores que trabalham dentro do departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo Rejane França, esses dados trazem padrões sobre os sentimentos e comportamentos das pessoas, que são aplicados no segmento da moda. "A partir dessas informações consigo saber, por exemplo, quais são as cores que combinam e as formas adequadas das peças", explica. A fundadora explica que as usuárias vão enviar fotos de seus looks do dia e são esses algorítimos que vão determinar se está adequado ou não. 

De acordo com ela, a resposta é imediata, uma vez que a mulher normalmente se veste para sair e não tem tempo para esperar a resposta. Além disso, o aplicativo também deve fazer recomendações de combinações para as clientes. A usuária poderá enviar imagens das peças de seu guarda-roupa e, na medida que responderem perguntas sobre seu corpo e preferências receberá sugestões de looks. 

Para a fundadora, o principal diferencial da Stella em relação aos demais aplicativos de moda é justamente essa personalização. "Muitos aplicativos mandam sugestões de looks, mas eles não conversam com as mulheres porque nem todas têm aquele corpo ou gostam daquele estilo. A gente vai recomendar de acordo com as características de cada pessoa", afirma. Rejane França afirma que o uso do aplicativo será gratuito para a leitura de conteúdo sobre moda, aprovação de look e recomendação de estilo. 

Entretanto, a startup vai desenvolver algumas funções pagas como a recomendação adiantada de look e a estatística de guarda-roupa. "Será possível informar quantas peças a mulher tem ou quanto tempo ela não usa determinada peça, por exemplo", adianta. Além disso, a empresa vai firmar parcerias com marcas e lojas de roupas para fazer indicações de compras às usuárias, ficando com uma porcentagem do que for vendido.

Fonte: Diário do Comércio

Outras Matérias