FecharX

Evento gratuito vai debater transformação social, qualidade de vida e bem-estar

O primeiro encontro do Café Controverso de 2019 vai falar da importância de indicadores e resultados na gestão de projetos socioculturais


Créditos da imagem: Divulgação/PBH
Main cr%c3%a9ditos   prefeitura de bh  dom%c3%adnio p%c3%bablico
Redação Sou BH
26/04 às 10:18
Atualizado em 26/04 às 10:19

Especial publicitário - Este material é patrocinado*

As edições do Café Controverso, patrocinadas pelo Instituto Unimed-BH, iniciam a temporada 2019 com uma nova proposta. Neste ano, os encontros, que têm entrada gratuita, vão discutir assuntos relacionados a uma visão mais ampla da saúde, abordando transformação social, qualidade de vida e bem-estar.

O primeiro evento do Café Controverso: Edição Especial Viver Bem terá como tema Transformação Social e Cultura: Como Podemos Avaliar e Medir Nossas Ações? O objetivo é chamar a atenção para a importância da avaliação dos impactos dos projetos socioculturais para a cidade. O bate-papo acontece neste sábado (27), das 10h às 12h, no Espaço do Conhecimento UFMG. Os dois convidados atuam na área de sustentabilidade e de projetos culturais e apresentarão reflexões e cases sobre suas experiências no setor.

No ano passado, o foco do projeto foi a saúde física.

Os convidados

Um dos debatedores é o consultor Rafael Tello, fundador e diretor da NhK Sustentabilidade, empresa de consultoria na área de sustentabilidade e professor associado da Fundação Dom Cabral. Economista pela UFMG, Rafael tem especialização em Negócios Internacionais pela Fundação Dom Cabral e MBA em Gestão da Sustentabilidade pela Leuphana Universität, na Alemanha. No evento, ele mostrará, sob o ponto de vista conceitual, a importância dos indicadores na avaliação do potencial de transformação social de uma comunidade e como isso pode contribuir na análise das empresas apoiadoras e executoras. “É importante medir como o recurso está se convertendo em transformação social. A ideia é mostrar como construir essa matriz e como ela se desdobrará em sistemas de gestão. Só dessa forma as entidades patrocinadoras e executoras do projeto terão mais conhecimento sobre os impactos”, afirma.

A outra convidada é Clarice de Assis Libânio, graduada em Ciências Sociais, com habilitação em Antropologia, pela UFMG. Autora do Guia Cultural das Vilas e Favelas de Belo Horizonte, também é coordenadora-executiva da ONG Favela é Isso Aí. Em sua participação no Café Controverso, Clarice falará da experiência à frente da organização, que apoia outras associações que atuam com projetos sociais e culturais em Belo Horizonte. Ela apresentará, ainda, cases de acompanhamento e monitoramento de resultados de diversas organizações socioculturais desenvolvidos durante cursos e seminários promovidos pela ONG.

*O conteúdo é de responsabilidade do anunciante

Comentários