FecharX

BH recebe programa internacional para combater doenças transmitidas pelo Aedes aegypti

O método Wolbachia é autossustentável e complementar às ações que tentam eliminar os vírus da zika, dengue e chikungunya


Créditos da imagem: Fábio Maciel
Main liberacao wolbachia
Redação Sou BH
23/04 às 09:00
Atualizado em 24/04 às 10:13

Imagine combater o mosquito que transmite a dengue, a zika e a chikungunya usando o próprio mosquito. Esse é o método do World Mosquito Program, que utiliza a bactéria Wolbachia para reduzir a capacidade de transmissão das doenças pelo mosquito Aedes aegypti.

O projeto, realizado no Brasil pela Fiocruz, já foi iniciado no Rio de Janeiro e, agora, será implantado em Belo Horizonte, Petrolina (PE) e Campo Grande (MS). Na capital mineira os trabalhos devem começar no segundo semestre deste ano, logo após a conclusão do laboratório que está sendo construído pela prefeitura exclusivamente para a criação dos insetos.

 “O método Wolbachia bloqueia o vírus dentro do mosquito Aedes aegypti, reduzindo a transmissão das doenças. A liberação dos mosquitos com a bactéria acontece durante cerca de 16 semanas com o objetivo de substituir a população de mosquitos locais. Serão 150 mosquitos adultos a cada 50 metros, além de ovos distribuídos em caixinhas”, explica o pesquisador Luciano Moreira líder do programa no Brasil. Ainda assim, ele reforça que o projeto é uma ação integrada e todos devem continuar limpando o quintal para eliminar os focos.

Antes de soltar os mosquitos, a equipe do projeto que conta com o apoio do Ministério da Saúde precisa delimitar a área de atuação dentro BH e conscientizar os moradores sobre como o programa é feito.

Além disso, em BH, o Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) e o Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (DEVIT) apoiarão o Ensaio Clínico Randomizado Controlado (em inglês Randomized Controlled Trial, RCT), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e apoio do National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID).

O método

A Wolbachia é um microrganismo presente em cerca de 60% dos insetos na natureza. Ela foi inserida em ovos de Aedes aegypti na Universidade de Monash, na Austrália, onde se identificou que, uma vez presente nestes mosquitos, a capacidade de transmissão das doenças fica reduzida. O método é seguro para as pessoas e para o ambiente, pois a Wolbachia vive apenas dentro das células dos insetos.

A medida é complementar e ajuda a proteger a região das doenças propagadas pelos mosquitos, uma vez que o Aedes aegypti com Wolbachia - que têm a capacidade reduzida de transmitir dengue, zika, chikungunya – ao serem soltos na natureza se reproduzem com os mosquitos de campo e geram tipos com as mesmas características, tornando o método autossustentável, conforme ilustrado na figura abaixo. Esta iniciativa não usa qualquer tipo de modificação genética. 


Reprodução/World Mosquito Program

WMP Brasil

O WMP Brasil, antes chamado Eliminar a Dengue: Desafio Brasil faz parte do World Mosquito Program (WMP), uma iniciativa internacional sem fins lucrativos que opera atualmente em 12 países e trabalha para proteger a comunidade global de doenças transmitidas por mosquitos. No Brasil, o projeto é conduzido pela Fiocruz.

O WMP iniciou estudos no Brasil em 2012, com início das liberações nas áreas piloto (Jurujuba - Niterói e Tubiacanga – Ilha do Governador, em 2015). Em novembro de 2016 deu início a liberação em larga escala em Niterói e em agosto de 2017 no Rio de Janeiro.

Comentários