FecharX

Aventuras liberadas na cozinha

Curso prepara meninos e meninas para dominar espaço da casa que era exclusivo aos adultos



Créditos da imagem: Divulgação
Main foto divulgacao 5 20140804191555
Crianças aprendem a cozinhar em cursos especiais
Redação Sou BH
04/08/14 às 16:15
Atualizado em 18/02/19 às 10:57

Em muitas casas, a cozinha é vista como um ambiente proibido para as crianças por seus perigos, como uma panela quente ou louças quebráveis. Mas em BH começou a ser frequentado pelos pequenos, que estão demonstrando interesse em aprender a arte da culinária. 

“Mamãe, não levanta! Espera que vou fazer o café da manhã!”, essa é a frase que Rosilene Vítor tem escutado do filho Arthur Vítor, de 11 anos, nos últimos dias. Ele já participou de alguns cursos de culinária para crianças da Escola de Gastronomia Atelier de Gateau e, por isso, vive querendo colocar o conhecimento em prática. No último curso que fez, ele aprendeu receitas de sanduíches, mini pizzas e doces. 

Mas as crianças não se interessam pelo curso de culinária apenas pelos pratos que querem aprender a fazer. A oportunidade de fazer amigos e trabalhar com outras crianças também é um atrativo, é o que diz Camila Reis, de 12 anos. “A escola tem um ambiente agradável e divertido”, explica. Estudando, ela aprendeu a fazer pão de mel e cupcake, em uma turma com mais quatro crianças, todas na mesma faixa etária que a dela. 

Outro fator que influencia o interesse dos pequenos pelas panelas é a tradição familiar. Elas observam mães e tias que trabalham com gastronomia e se sentem atraídas pela área. “Todo mundo na família gosta muito de cozinhar e vejo que o Arthur também gosta. Ele disse que quer estudar gastronomia”, relata Rosilene. Mesmo tendo a consciência de que o filho pode a qualquer momento mudar de ideia, já que ainda é jovem para uma escolha desse tamanho, ela incentiva. “Trabalhamos juntos. Eu policio, mas tento deixa-lo à vontade para fazer o que aprendeu. Ele se diverte e dá pulos de alegria quando dizemos que o prato ficou gostoso”, conta.

Para Camila, a gastronomia está no sangue: “minha mãe e minhas tias trabalham em restaurante”, explica. Ela já frequenta as aulas de culinária no intuito de um dia ser profissional e se enxerga trabalhando nessa atividade no futuro. 

Comentários