FecharX

85% dos moradores de Lourdes aprovam bares da região

<p>Pesquisa da Abrasel será contestada pela Associação de Moradores</p>


Créditos da imagem:
Main baremlourdes
Redação Sou BH
12/08/14 às 10:37
Atualizado em 01/02 às 17:18

Segundo pesquisa realizada pela Loggia e Expertise e encomendada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG), 85% dos moradores do bairro de Lourdes aprovam as atividades de bares e restaurantes na vizinhança. Já acontece há alguns anos uma discussão entre os moradores do bairro, frequentadores dos bares e a Abrasel- MG sobre a permanência e abertura de mais bares na região.

O presidente da Abrasel-MG, Fernando Junior, comemora o resultado que, para ele, já era esperado. ?Na verdade eu já esperava este resultado. O que esta pesquisa provou é que os bares não incomodam tanto quanto determinado grupo de moradores afirma,? relata.

O presidente da Associação dos Moradores da Praça Marília de Dirceu e Adjacências (Amalou), Jeferson Rios, afirma que em pesquisa feita pela entidade, 90% da população do bairro aprova a presença de bares e restaurantes em Lourdes. ?Fizemos uma pesquisa e 90% dos moradores são a favor dos estabelecimentos no bairro. Para alguns, o bar é a sala de visita e depois da lei seca, ter bares perto de casa é um conforto,? conta. Rios diz que, depois do acordo em que os bares fecham as portas às 23h30 durante a semana e 1h no final de semana, além da retirada das mesas das calçadas, o número de moradores que aprovam os estabelecimentos aumentou.

Por sua vez, Lúcia Pinheiro Rocha, presidente da Associação de Moradores do Bairro de Lourdes (Pró-Lourdes), contesta a pesquisa da Abrasel-MG. Segundo a moradora, que consultou vizinhos, nenhum deles disse ter respondido a pesquisa. ?Assim que vi a matéria sobre a pesquisa mandei e-mail para os associados da Pró-Lourdes que afirmaram não ter recebido a visita de nenhum pesquisador,? conta. Segundo a Abrasel-MG, foram entrevistados 206 pessoas.

Lúcia afirma que a entidade que preside não é contra a presença de bares e restaurantes no bairro, mas sim que estes estabelecimentos tenham em seu alvará o horário de funcionamento. ?Sabemos que os bares e restaurantes são importantes, apenas desejamos que estes estabelecimentos tenham horário de funcionamento. Nenhum tem hora para fechar. Outra reivindicação é que retirem mesas da calçada, pois, a acessibilidade para cegos está sendo reduzida,? esclarece. Mais uma reivindicação da Pró-Lourdes é que os bares transmitam jogos com isolamento acústico e monitores voltados para dentro do bar. 

Na quinta-feira (7), a Pró-Lourdes terá uma reunião com a Prefeitura de Belo Horizonte no qual a pesquisa da Abrasel-MG será observada e questionada.

Comentários