FecharX

Pampulha como patrimônio da humanidade: o que muda para BH?

Conjunto Moderno da Pampulha poderá ser reconhecido pela UNESCO, no próximo dia 15


Créditos da imagem: Ronaldo Almeida / Shutterstock.com
Main 235012 shutterstock 166720529
Redação Sou BH
08/07/16 às 18:31

Belo Horizonte está cada vez mais próxima de hospedarum patrimônio cultural da humanidade. No dia 15 de julho, o Conjunto Moderno da Pampulha pode ser condecorado pela UNESCO e entrar para a seleta lista do Patrimônio Mundial, que atualmente inclui 1031 sítios culturais, naturais e mistos, distribuídos em 161 países. O anúncio acontecerá na 40ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, em Istambul (Turquia).

Conquistar um prêmio dessa importância é, obviamente, benéfico para a capital. Mas você sabe exatamente qual é a dimensão desse feito? Como esse título impacta na vida dos belo-horizontinos?

O primeiro fator é simples. Caso se confirme a vitória da Pampulha, BH estará sob os olhos do mundo pelo simples fato de abrigar um monumento cultural de tamanha riqueza e com excepcional valor histórico para a humanidade. Sendo assim, a cidade vai entrar no roteiro de milhares de turistas interessados em ver de perto obras de grandes nomes da arte e da arquitetura brasileira do século XX, como o arquiteto Oscar Niemeyer, o paisagista Roberto Burle Marx e o pintor Candido Portinari.

Além de favorecer o turismo em BH, fomentando a economia local e a oferta de empregos, os sítios do patrimônio histórico são todos protegidos pela UNESCO. Na prática, a Pampulha ficaria resguardada quanto à destruição e aos maus cuidados, garantindo a constante conservação de todos os espaços por meio de um tratado que envolve 190 países.

A obrigação de manter o patrimônio bem cuidado reafirmará a Pampulha cada vez mais como um espaço apto para receber belo-horizontino e visitantes. Algumas ações já estão implementadas, como a revitalização da orla, e outras ficarão prontas em breve, com destaque para a limpeza da lagoa, que deve ser finalizada até dezembro de 2016.

A Pampulha está na lista indicativa do Brasil para o Patrimônio Mundial desde 1996, mas o processo foi retomado pela Prefeitura de BH apenas em 2012. Desde então, foi criada uma comissão para levar o projeto adiante e, após superar várias etapas, BH encontra-se na final e com boas chances de receber esse título inédito.

Espaços do Conjunto

O selo que poderá ser concedido pela UNESCO ao Conjunto da Pampulha vai abranger a Igrejinha São Francisco de Assis, o Museu de Arte da Pampulha, a Casa do Baile, o Iate Tênis Clube, o espelho d´água, a orla da Lagoa e as praças Dino Barbieri e Alberto Dalva Simão.

Comentários