FecharX

Inhotim inaugura novas mostras e galerias

Artistas do Leste Europeu, Ásia e Estados Unidos são escolhidos pela curadoria


Créditos da imagem: Divulgação
Main domink 20140906144630
Dominik Lang, da República Tcheca, apresenta "Sleeping City"
Redação Sou BH
06/09/14 às 11:49
Atualizado em 01/02 às 17:59

A partir do mês de setembro, o Instituto Inhotim, em Brumadinho, oferece mais quatro novas exposições aos visitantes. Artistas do Leste Europeu, Ásia e Estados Unidos propõem um novo olhar sobre a produção artística contemporânea.
 
Segundo o diretor de arte e programas culturais do Instituto, Rodrigo Moura, nos últimos 10 anos, houve um aumento do interesse mundial pela arte latino-americana e de outras regiões que fogem aos centros hegemônicos de produção. “Esse movimento está muito ligado a uma perspectiva de descentralização das narrativas. Nesse contexto, entendemos que o papel de um espaço como o Inhotim não é apenas colecionar nomes consagrados, mas introduzir outros, menos conhecidos por aqui”, afirma em entrevista ao site do Inhotim.
 
Uma nova galeria permanente, a 18ª do Inhotim, será dedicada ao pintor norte-americano Carroll Dunham. A galeria irá abrigar um ciclo de pinturas chamado Garden (2008), composto por cinco telas que refletem as impressões do artista sobre o Inhotim. A Galeria Lago, um dos quatro espaços para exposições temporárias, receberá trabalhos de três artistas. A romena Geta Brătescu, considerada uma espécie de Louise Bourgeois do Leste Europeu, ganha uma grande mostra individual de sua produção, com trabalhos que datam de 1986 a 2013, intitulada “O jardim e outros mitos”.

Dominik Lang, da República Tcheca, apresenta Sleeping City (2011), uma instalação composta por esculturas de bronze criadas pelo pai do artista. Em meio a estruturas de ferro e madeira, as peças adquirem novos significados. Já do filipino David Medalla, será apresentada a obra Cloud-Gates (1965/2013) da série Bubble Machines – esculturas cinéticas formadas por espuma e criadas pelo artista pela primeira vez na década de 1960.

Comentários