FecharX

Por que não vivemos?: Uma provocação que ultrapassa os séculos

Camila Pitanga, junto à Cia. Brasileira de Teatro, apresenta peça inspirada em obra de Anton Tchekhov até 18 de novembro no CCBB


Créditos da imagem: Nana Moraes
Main capa   companhia brasileira de teatro por que n%c3%a3o vivemos  camila pitanga foto nana moraes 28
Júnior Castro
04/11 às 17:00
Atualizado em 04/11 às 17:00

“Pensais honestamente, e por isso odiais o mundo todo. Detestais os crentes porque a fé é um indicador de estupidez e de ignorância; e detestais os descrentes porque não têm fé nem ideal. Odiais os velhos pelas suas mentalidades ultrapassadas, e os novos pelo seu liberalismo”. A frase do escritor e dramaturgo Anton Tchekhov elucida, desde o século XIX, problemas e reflexões permanentemente discutidas até os dias de hoje. Nesse mesmo ensejo, Camila Pitanga, junto à Companhia Brasileira de Teatro, apresenta Por que não vivemos?, espetáculo baseado na obra Platonov.

O Sou BH esteve no Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil e, além de conferir a peça, batemos um papo com Camila, que falou sobre o espetáculo e também narrou fatos importantes sobre sua história. Nascida em meio à arte, Pitanga é filha dos atores Antônio Pitanga e Vera Manhães e, apesar de ter tido uma infância com muito ‘pé no chão’, iniciou sua carreira ainda na adolescência. “Com 12 anos comecei a fazer Tablado, que é uma escola de Teatro do Rio de Janeiro, sem nenhuma pretensão de ser atriz. Era mais como um exercício de criança, para poder me expressar. Já aos 15 anos comecei, de verdade, a fazer Teatro”, conta.

Graduada em Artes Cênicas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Camila relembra quando tomou a decisão de que os palcos seriam seu trabalho. “Eu já era conhecida, mas só quando fiz vestibular decidi fortalecer aquilo que o destino havia trazido para mim: o Teatro. Aí fiquei oito anos na UNIRIO, comecei como aluna de Interpretação e, depois, passei para Teoria Teatral”, explica.

Na TV, a estreia como atriz foi na minissérie Sex Appeal de Antônio Calmon, em 1993. “Eu era muito jovem. Mas era um trabalho que tinha como característica o protagonismo de atores inexperientes. Então, como era uma turma nova chegando à tela e eu não era a única, havia um pertencimento. Foi uma estreia muito tranquila”, comenta Camila, que também ressalta a responsabilidade de ter ficado famosa muito cedo. “Eu precisei – de alguma maneira – me descolar dessa imagem mais pública e me ater a um processo de pesquisa, de estudar, de fazer trabalho de voz e corpo, de fazer vários cursos, de entender cada escolha e, até mesmo, negar trabalhos para que eu pudesse concluir minha faculdade. As escolhas foram consolidando um aprofundamento na carreira de atriz, para que eu não fosse apenas um rosto ou uma imagem, mas, sim, uma pessoa que tivesse uma reflexão artística”, detalha.

Outra vertente explorada com bastante êxito por Camila é o papel de apresentadora. No currículo, ela já esteve à frente dos programas Som Brasil e Superbonita, o segundo com nova temporada programada para 2020. “Tenho um lado apresentadora que gosto muito, quando é algo que faz sentido. No caso do Som Brasil, havia uma questão totalmente ligada à qualidade musical. Um diálogo entre o passado e o presente da música brasileira, sempre reverenciando alguém importante, mas inovando com releituras. E, agora, com o Superbonita falando sobre comportamento, sobre mulher. Ao invés de ficar apenas numa questão de mera estética é uma conversa de mulher para mulher”, comenta com carinho.

Agora, em cartaz no CCBBBH, Pitanga contou como foi sua entrada na Cia. Brasileira de Teatro. “Eu já acompanhava a CIA há um tempo. Comecei assistindo ‘Essa Criança’, ‘Projeto Brasil’, 'Preto’. Aí, sem nenhum pudor, falei pro Marcio – diretor da companhia – que estava muito interessada em participar, fosse de uma leitura, de um processo de pesquisa, como ouvinte. Deixei bem claro que queria trabalhar com eles”, aos risos. Pouco tempo mais tarde, o convite. “A vida foi generosa comigo. Eu fui convidada, tive duas conversas e nada aconteceu à toa. Fazia muito sentido trabalharmos juntos, a gente comunga das mesmas ideias e desejos muito próximos ou complementares”, conclui sobre a entrada no grupo.

Em cartaz até dia 18 de novembro com Por que não vivemos?, peça que trata de temas recorrentes como o conflito entre gerações, as transformações sociais através de mudanças internas, questões do homem comum, gerações futuras e múltiplas linhas narrativas, Camila explica porque escolheu falar disso no atual momento do Brasil. “Esse espetáculo dialoga demais com o que estamos vivendo. Eu acho que a provocação: por que não vivemos?, evoca uma tomada de decisão ativa, que é necessária para que a gente possa se renovar, para que possa ter coragem de dizer o que pensa, de viver o que deseja”, finaliza. 

Tags:
  • sou bh
  • bh
  • Camila Pitanga
  • CCBBBH
  • Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil
  • Por que não vivemos?
Comentários

Comentários