FecharX

Passeando pelo Mundo a Fora com Marina Lima

A cantora se apresenta no Festival Sarará, dia 31 de agosto, a convite de Letrux


Créditos da imagem: Rogério Cavalcanti
Main marina novas divulga   portal
Júnior Castro
26/07 às 17:00
Atualizado em 26/07 às 17:04

 “O talento desenvolve-se no amor que pomos no que fazemos... Talvez até a essência da arte seja o amor pelo que se faz, o amor pelo próprio trabalho”. Assim como na frase do romancista e dramaturgo Máximo Gorki, a paixão pela arte sempre fez parte da natureza de Marina Lima. Ainda menina, a carioca empregou a música como primeira fuga ao esmorecimento. “Tudo aconteceu pra mim de um jeito mágico. Eu ganhei um violão quando era menina e morava fora do Brasil. Mas nele tinha uma certa melancolia, porque sentia falta do meu país. E toda a minha saudade acabei colocando naquele violão”, lembra a cantora.

O ofício de artista, que desde cedo corre em suas veias, fez de Marina uma das maiores cantoras e compositoras do país. Mas, o que muitos não sabem, segundo a própria, é que a composição é sua maior atração. “Eu uso a música para me traduzir. Entretanto, o que mais gosto e o que acho mais importante no meu lado artístico é compor. Eu nunca abandonei a composição. Volta e meia eu deixo de cantar, de tocar. Mas de compor, nunca”, explica Lima.

Tão fundamental quanto respirar. Marina logo percebeu, ainda aos 12 anos de idade, que não conseguiria sobreviver sem a música: “Quando minha família voltou dos Estados Unidos, meu pai quis vir de navio. Eu despachei o violão com meus irmãos, que retornaram de avião. Fiquei doze dias embarcada em alto mar, desesperada. Foi aí que percebi que tinha uma relação quase de dependência com a música”, recorda sobre a volta ao Brasil.

Para Marina, muito mais que uma carreira de sucesso, o dom que tem a ajudou na sua relação com o mundo. Inclusive, estreitando os laços com o próprio irmão, o poeta e compositor Antônio Cícero. “O Cícero é dez anos mais velho, por isso eu não tinha a menor identificação com ele. Mas pelo fato de ele ser poeta e eu estar compondo, começamos a criar juntos. A partir daí, descobrimos uma afinidade enorme. E isso quem trouxe foi justamente a arte”, revela.

Aos 16 anos, Marina decide estudar música. Seu pai, entretanto, tinha o desejo de que ela se dedicasse ao vestibular para informática – tudo por conta de sua habilidade em ciências exatas. O anseio do pai não foi possível, mas como boa virginiana, a matemática sempre esteve em seu trabalho. “A arte também é exata. Até pra você criar “loucuras” é preciso uma lógica. Então, eu juntei a “fome” com a “vontade de comer”: Peguei uma coisa que eu tinha um talento enorme, que era matemática e juntei com o lugar com o qual eu me soltava: a música”, diverte-se.

Superdescontraída, Marina se lembra de outro fato inusitado da carreira. Ao lançar o disco “O Chamado”, em 1993, se dizia uma “jovem senhora de passagem”. Fato é que, à época, Lima tinha apenas 38 anos e foi questionada sobre o assunto. “Naquela fase, com menos de 40, parecia que era uma “pessoazinha” querendo atenção. Mas eu falei delicadamente, fui fina, não queria agredir ninguém. Hoje em dia, por sua vez, tenho 63 anos. Agora posso reclamar de tudo. Se a sua carreira e a sua vida tiverem uma lógica, você tem o direito de bater o pé. Com 60, você adquire esse direito”, comenta aos risos.

Lembrada por sua personalidade forte e postura firme, a compositora sempre correu atrás do que acreditava e, mesmo não gostando de embates, nunca fugiu da luta. Seu último álbum, “Novas Famílias”, é um dos maiores retratos do que Marina crê ser importante. “Eu não gosto de brigar. Eu brigo quando não querem me deixar realizar o que eu quero e o que acho que tenho o direito. Brigo pelo meu espaço e para ajudar as minorias. Novas Famílias é um dos trabalhos que mostra um pouco disso”, explica Marina.

Novos Projetos e Música Atual

Cheia de projetos e visceralmente apaixonada pelo trabalho, Marina revela seu desejo de lançar seu livro de partituras. “Agora, estou preocupada em fazer um songbook. A minha obra são os meus discos. Então, vou colocar os 19 álbuns no songbook. Serão 19 cifras, letras e partituras nele”, esclarece.

Em Belo Horizonte, Marina chega dia 31 de agosto, na sexta edição do Festival Sarará, a convite de Letícia Novaes – Letrux –, a quem considera uma das melhores artistas da nova geração. “Eu vejo Letícia como a minha “salvação” musical, em relação Rio de Janeiro. Quando saí de lá, em 2010, eu não estava conseguindo me encontrar mais. Na época estava tudo igual musicalmente falando. Quando a Letícia lançou o primeiro disco dela, foi uma alegria imensa, era como se fosse minha filha”, exalta.

Ainda segunda a cantora, Letrux é uma de suas maiores apostas para o futuro da música. “Eles são muito interessantes e falam do mundo de hoje. Ouvindo eles, a gente aprende um monte de expressões e frases novas. Inclusive, o pessoal de Belo Horizonte não pode perder a chance de ver esse show. Espero que todo mundo vá e curta muito”, finaliza. 

Tags:
  • festival sarará
  • artista
  • bh
  • show
  • Marina Lima
Comentários

Comentários