FecharX

Ana Rosa volta a BH com o sucesso Violetas na Janela

A atriz conversou com o Sou BH e, além de falar sobre a peça, abriu seu coração com histórias de vida e carreira


Créditos da imagem: Divulgação/Violetas na Janela
Main anarosa
Júnior Castro
12/03 às 13:56
Atualizado em 13/03 às 09:55

"Devemos compreender sem ilusão o que realmente somos, e não o que pensamos ser e, com coragem, realizar nossa transformação. Ser agora, no presente. O futuro é uma consequência vivida do presente e não fruto de aspirações de uma mente ociosa, que deixa sempre essa transformação para depois." Damos início a temporada de entrevistas especiais de 2020 com o trecho do livro Violetas na Janela, história psicografada pela médium Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho. Não por acaso, nosso primeiro bate-papo do ano foi com a atriz Ana Rosa, que retorna a BH com a peça homônima ao livro em duas sessões nesta sexta (13), às 18h (sessão extra) e às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec.

Desde seu nascimento, Ana Rosa vive em meio à arte. Seu avô, Capitão Juvenal Pimenta, era proprietário do Circo Teatro Novo Horizonte. A companhia, que viajava por todo o país, também foi palco de sua estreia, aos 15 dias de vida. “No circo, sempre que havia uma apresentação e era preciso um recém-nascido, ao invés de se colocar uma boneca, colocava-se um bebê. Foi assim que aconteceu comigo e minha peça de estreia foi ‘O Mundo não me Quis’”, conta. Ana relembra ainda que, à época, não era uma escolha ser artista para aqueles que nasciam no picadeiro. “A partir dos dois anos, no circo, as crianças começavam a ir para o palco e treinar os números com os pais, tios, avós. O meu primeiro número como circense, por exemplo, foi aos nove anos fazendo trapézio”, completa.

Mas não foi apenas na carreira artística que Ana começou cedo. Aos 16 anos casou-se com seu primeiro marido, o ator e comediante Dedé Santana, com quem inaugurou uma emissora, a TV Alvorada, em Brasília. “Nós viajávamos com o circo do Dedé por todo o Brasil e quando chegamos à capital federal, que ainda não havia sido inaugurada, fomos convidados pelo diretor artístico da emissora para fazermos alguns teleteatros. Naquele tempo não havia muitos artistas, principalmente por lá. Aí, minha sogra, minha mãe, meu cunhado, Dedé e eu participamos da inauguração apresentando teleteatros ao vivo”, lembra.

Nas excursões pelo país, muito ao contrário do que muitos podem imaginar, as dificuldades e os empecilhos foram muitos. “Existiram várias barreiras que tivemos de ultrapassar. Naquele tempo, por exemplo, meu avô abriu uma trilha com um facão para passar uma caminhonete que carregava o material do circo e quebrou a perna. Era quase um ato de bandeirante chegar ao interior do Brasil”, recorda Ana.

A chegada à TV como atriz contratada também foi algo que aconteceu inesperadamente para Ana Rosa. Em 1964, ela recebeu um convite de Cassiano Gabus Mendes, então diretor artístico da TV Tupi, para protagonizar Alma Cigana, na qual, inclusive, ganhou Troféu Imprensa de Revelação do Ano. “Nessa época, eu estava fazendo uma temporada de teatro e fui à Tupi participar dos programas ‘Almoço com as Estrelas’ e ‘Clube dos Artistas’. Nisso o Tatá (chamando carinhosamente o ator Luiz Gustavo), me viu dançar e falou para o Cassiano que havia uma menina com uma cara meio diferente, que dançava e parecia uma cigana. Em seguida, me chamaram para um teste, acabei passando e estrelei a novela que foi a primeira gravada em videotape na Tupi”, recorda com carinho.

Depois da estreia em telenovelas, foram inúmeros os sucessos de Ana na televisão, o que levou, anos mais tarde, seu nome ao Guinness Book Brasil como a atriz que mais participou de novelas. “Um dia encontrei o jornalista Ismael Fernandes, que estava fazendo o lançamento de seu livro, Memória da Telenovela Brasileira, e ele me contou que Leda Nagle o havia perguntado se ele sabia quem foi o ator ou a atriz que mais fez telenovelas no Brasil. Aí ele disse que era eu e me perguntou o que eu achava de enviar o material catalogado para o Guinness. Tempos mais tarde, enviei todo a material e entrei para a versão brasileira da publicação nos anos de 1997 e 1998”, explica.

Agora, em Belo Horizonte, Ana Rosa volta a apresentar seu espetáculo ‘Violetas na Janela’, pelo quinto ano consecutivo. A peça retrata com simplicidade as experiências de Patrícia, uma garota que desencarnou aos dezenove anos e acordou numa Colônia Espiritual onde a vida continua. “A peça tem um tema muito bonito e que desperta a curiosidade das pessoas, mesmo aquelas que não são espíritas. Inclusive, nosso intuito não é fazer a cabeça de ninguém. Nós apresentamos um espetáculo muito bonito, com uma trilha sonora linda e que emociona muito as pessoas”, conclui.

Tags:
  • cultura
  • arte
  • bh
  • Ana Rosa
  • teatro
  • violetas na janela
Comentários

Comentários