FecharX

Relacionamento e celular: 92% acreditam que apps podem ajudar na hora da paquera

Muitos internautas preferem conhecer seus parceiros por meio de aplicativos


Créditos da imagem: Banco de Imagens/Shutterstock
Main 182927 shutterstock 751052851
Redação Sou BH
29/03/18 às 18:08
Atualizado em 01/02 às 17:28

Por Júlia Alves

A internet trouxe inúmeras facilidades para o nosso dia a dia. Atualmente temos compras online, pagamentos de contas por aplicativos de banco e até mesmo os relacionamentos migraram para o mundo virtual. Os apps de namoro se tornaram muito populares nos últimos anos. Não é à toa que 57% dos brasileiros com acesso à internet conheceram alguém importante em suas vidas utilizando estas ferramentas.

Com 92,1% dos domicílios do país acessando a internet por meio do celular não é de se espantar a popularidade que estes pequenos aparelhos possuem entre os brasileiros. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE em 2016, houve um aumento de quase 12% nos números em relação ao ano anterior. O que nos leva para os outros números dos relacionamentos na internet, já que 38% dos brasileiros com um smartphone já tiveram problemas em um relacionamento por passarem tempo demais conectados.

Segundo a psicóloga especializada em terapia de casal, Isabella Trindade, a internet pode aproximar as pessoas, porém, também pode se tornar um problema. “O que vejo de interferência da tecnologia é o peso que recai principalmente nas relações. Entre meus atendimentos, se destacam com frequência os casais que possuem conflitos por causa do celular, do uso excessivo da internet e do esquecimento do contato físico”, comenta em entrevista ao SouBH.

Sua alma gêmea a um clique de distância

Com dados da pesquisa sobre relacionamentos da empresa Opinion Box, realizada com internautas de todas as faixas etárias, classes sociais e regiões do país, descobrimos que 42% dos brasileiros gostam de conhecer pessoas por aplicativos.

E a aceitação destes apps é grande para os 57% dos entrevistados que se dizem solteiros. Entre eles, 70% acreditam que essas ferramentas ajudam na hora da paquera, enquanto 22% acham que ajudam muito. Apenas 8% acreditam que a internet pode atrapalhar os relacionamentos.

O vendedor Luan Costa, 30 anos, acredita muito na eficiência dos apps de relacionamento, afinal, conheceu sua atual namorada, Helena, pelo Tinder. “Em poucos meses a gente já estava namorando sério, eu tinha me mudado para a casa dela, e agora estamos praticamente casados”, afirma o vendedor.

Mas nem tudo são rosas no mundo da conquista online: 22% dos entrevistados já terminaram um namoro por e-mail, WhatsApp ou SMS. “A ferramenta é boa, o problema é o uso que empregamos”, afirma Isabella Trindade. De acordo com a psicóloga, muitas vezes esquecemos das relações físicas e do contato real, ficando submersos nas redes sociais. Para ela, perdemos a noção do certo e errado quando o assunto é internet, o que pode prejudicar os relacionamentos que acontecem fora dela.

Só uma olhadinha pode?

Para 39% dos brasileiros entrevistados, pode sim dar uma olhadinha na conversa do(a) namorado(a). Além das pessoas que já espiaram o celular do parceiro sem ele saber, existem aquelas que não confiam muito nos namorados que conheceram por meio de aplicativos. Afinal, 46% desconfiam da fidelidade dos parceiros conhecidos pela internet. Sendo eles menos confiáveis do que aqueles que começam um relacionamento pessoalmente.

Quando o assunto é traição, a maioria dos entrevistados acham que tanto a online quanto a consumada são graves. Ao todo, 70% não veem a diferença entre uma e outra, enquanto 23% acham que uma traição online, como conversas picantes ou mandar nudes para outra pessoa são uma forma menos séria de traição. Os 7% restantes acham que é ainda mais séria do que uma traição ao vivo.

Comentários