FecharX

BH pelos olhos e traços de uma francesa

Exposição reúne aquarelas feitas por artista para retratar cotidiano da capital


Créditos da imagem: Divulgação
Main heloise 20141010142643
Exposição reúne desenhos feitos pela francesa Heloïse Delavenne
Redação Sou BH
20/01/15 às 17:04
Atualizado em 01/02/19 às 18:01

Por Débora Gomes jornalista Sou BH

Espaço Cultural Otto Cirne na Associação Médica de Minas Gerais (Av. João Pinheiro, 161, Centro), até o dia 29 de outubro. A mostra, chamada “Le Rêve brésilien d’Héloïse”, ou “O sonho brasileiro de Heloïse”, reúne algumas cenas do cotidiano belo-horizontino sob um olhar francês.

Heloïse vem de uma família em que a pintura é tradição. “Os desenhos sempre me acompanharam, me lembro de rabiscar nas margens dos meus caderninhos de escola, de desenhar nos parques com minha mãe”, conta. Médica psiquiátrica, a artista mudou-se para o Brasil após se casar com um mineiro, que conheceu na França.

Aqui, realizou um curso livre de aquarela e começou a participar do Urban Sketchers, grupo belo-horizontino criado com o propósito do encontro em um espaço público, e de desenhar a partir da observação. “Tudo é motivo para um desenho”, afirma. Foi então que Heloïse criou uma página no Facebook e um blog, chamados “Desenhos de uma francesa no Brasil”, em que compartilha ilustrações do seu cotidiano. “Passei a desenhar mais, mesmo trabalhando com psiquiatria”, explica.


Segundo Heloïse, sua intenção com os desenhos é passar um sentimento de encanto da vida cotidiana. “O que se destaque como engraçado ou lindo e como tudo isso leva a pessoa a sonhar”, completa. A exposição retrata justamente esses detalhes, sob o olhar de uma estrangeira. Alguns quadros ilustram também a influência mineira na França, como as construções de Niemeyer em Paris e na Normandia. “Eu gosto de desenhar nas ruas para captar o instante, como faria um fotógrafo”, explica a artista, que produz desenhos também eu seu ateliê.

Outra parte da exposição sai um pouco do meio urbano e retrata outro lado do cotidiano da artista: o da psiquiatria. “Essa parte é inspirada nos pensadores do século passado, que homenageio em desenhos”, explica.

Mesmo sem conhecer outros estados brasileiros, Heloïse se diz apaixonada por BH. “Acho o clima bom, fresco à noite, ando de bicicleta nas trilhas durante os fins de semana”, afirma. E é nesses momentos que a artista encontra a inspiração para os desenhos. “A arte é algo precioso em nossas vidas e graças a isso consegui me adaptar melhor as situações cotidianas da imigração”, completa.

“Espero que os visitantes da exposição se deixem tocar pelas belezas de Minas Gerais retratadas e, quem sabe, com essa experiência, encontrem uma ajuda para uma melhor adaptação ao cotidiano”, convida Heloïse. A mostra fica em cartaz até dia 29 de outubro. A entrada é franca e as visitações acontecem de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h, e aos sábados, das 8 às 15h.



Comentários