FecharX

Banda mineira lança primeiro videoclipe

Guitarrista da banda, Felipe Barros , conta sobre a gravação e a carreira da Radiolaria


Créditos da imagem: Geraldo Bisneto Fotografia
Main 114755 radiolaria geraldo bisneto fotografia
Radiolaria na laje do prédio na Savassi
Redação Sou BH
03/12/14 às 11:35
Atualizado em 01/02 às 18:03

Por Débora Gomes, jornalista do Sou BH

Misturando timbres, estilos e temas, a banda mineira Radiolaria sobe ao palco do Galpão Benfeitoria, na noite desta quinta-feira (4). Além de tocar as canções do disco “Vermelho”, recém lançado, os belo-horizontinos aproveitam a ocasião para lançar o primeiro videoclipe da carreira, gravado em setembro na Praça Raul Soares e na laje de um prédio na Savassi, para a faixa “As Palavras”.

“A escolha de ‘As Palavras’ na verdade foi feita em conjunto com o diretor do clipe, que julgou a canção mais apta a gerar um roteiro pra se fazer um clipe no formato de estória, e com cenas da banda mescladas”, conta o guitarrista e vocalista Felipe Barros. Com o aval da banda, o diretor e roteirista Víktor Waewell, teve liberdade total para criar resultando em um roteiro poético e divertido, com desfecho surpreendente.

Em conversa com o Sou BH, Felipe Barros contou um pouco sobre o disco “Vermelho”, as escolhas da banda e o lançamento do novo clipe.

Sou BH - Por que “Vermelho” e não outra cor pra dar nome ao disco?

A banda, quando da finalização das gravações e dos processos de mixagem e masterização, ainda não tinha um nome para o álbum, e precisava encerrar o processo da arte e enviar o disco para prensagem. Em um brainstorm dos integrantes, o Felipe Xavier (vocalista/violão/guitarra), perguntou qual seria a cor que melhor representaria o disco pra cada um dos integrantes. O vermelho foi unânime. Daí veio a concordância geral e o batismo do disco.

Sou BH- Qual a principal característica de “Vermelho”?

Creio que a sinceridade, e até certo grau de ingenuidade das canções. Foi o registro de um momento musical da banda, feito de forma verdadeira e tentando mostrar o que cada música tinha como proposta estética e sonora.

Sou BH - Se for classificar o som da Radiolaria em uma frase, qual seria?

Difícil essa. Mas creio que algo assim: um som autêntico, na medida em que é verdadeiro, e ao mesmo tempo lúdico e introspectivo.

Sou BH- O clipe foi gravado em espaços de BH (Savassi e Praça Raul Soares). Por que escolher esses lugares?

Basicamente pela questão da fotografia mesmo. A Raul Soares, apesar de parecer um pouco "largada" às vezes, compõe um cenário lindo quando conjugada com as edificações e vias que cortam a região, especialmente se olhando de cima, como na primeira cena do clipe.

Já a Savassi foi pela facilidade de filmar no terraço do apartamento do Felipe Xavier, que mora no último andar do prédio. Aí subimos com o equipamento todo pra laje. O resultado das imagens ficou incrível.

Sou BH- Além do lançamento do clipe, o que o público pode esperar de especial para o show no Benfeitoria? Qual será o repertório?

No show faremos uma mescla de músicas do "Vermelho" com algumas coisas novas em que já estamos trabalhando para um próximo disco. Podem pintar ainda algumas versões de artistas que curtimos, mas isso depende do nosso clima no dia e da energia na hora mesmo. Tudo feito no galpão mais charmoso da cidade, o Benfeitoria, que ficou lindo após a reforma possibilitada pelo financiamento coletivo que o pessoal de lá fez.

Sou BH - Qual a sensação quando viram o primeiro clipe pronto? Ficou como esperavam?

A sensação foi incrível. É que no dia das filmagens você fica ali, atuando, vendo as cenas, tocando a música, enfim, se concentrando em fazer tudo de forma natural e minimamente fotogênica, e não consegue ao certo imaginar o que se passa nas lentes, e principalmente na cabeça do diretor.

Depois do trabalho de edição e tratamento das imagens, além do uso de animação gráfica em 3D, usado em algumas cenas, o resultado nos surpreendeu muito, e nos deixou bastante felizes! Na verdade superou nossas expectativas!

ServiçoQuando: 4 de dezembro, quinta-feira
Horário: 20h
Onde: Galpão Cultural Benfeitoria (Rua Sapucaí, 153, Floresta)
Quanto: R$20


Comentários