SouBH Notícias

Aplicativo oferece economia o dia todo em lojas de vários segmentos em BH

Criado por um empresário de 70 anos, o Ekko tem desconto em alimentação, serviços e até postos de gasolina

Redação Sou BH - 09/05/18 as 13:37 - Atualizado em 09/05/18 as 13:55

Ekko
Foto: Shutterstock

Depois de três anos de experimentação, aperfeiçoamento e meses de projeto piloto, Belo Horizonte acaba de ganhar uma nova maneira de economizar nas compras, o aplicativo Ekko. Com uma proposta que os envolvidos chamam de “economia real”, a plataforma visa promover vantagens equilibradas entre lojistas e clientes.

“O objetivo do Ekko é integrar consumidor e estabelecimento comercial dentro de um conceito de comunidade”, detalha Cristiano Falzoni, diretor comercial da Ekko. Ainda de acordo com ele, a ideia é que o consumidor economize em todas as necessidades diárias de consumo, seja em padarias, restaurantes, lavanderias ou até mesmo postos de gasolina.

Para que essa ideia fosse concretizada, o projeto foi implantado em BH com um modelo piloto na região da Savassi. “Não adianta termos um, dois ou três estabelecimentos em cada lugar, para que essa nossa ideia de comunidade seja válida, precisamos integrar toda uma região e seu público”, acrescenta Falzoni.

A expansão para o resto da cidade começou no fim do último mês e veio com força total através do evento Dia do Porco na Rua Sapucaí. Lá, todo o consumo poderia ter descontos através do Ekko. Junto à expansão, veio a reformulação da marca e o aperfeiçoamento de falhas notadas no período de teste.

> Download do Ekko: Android | IOS

Plataforma única

Um dos maiores diferenciais presentes no Ekko é que todo o seu desenvolvimento se deu com um algoritmo exclusivo. A plataforma é patenteada e programada para dar desconto para o cliente durante todo o dia. O que o dono do estabelecimento deve fazer é inserir o máximo de desconto que ele vai oferecer e definir os horários de baixo, médio e alto fluxo. “O programa calcula automaticamente os descontos a serem oferecidos dentro da margem que o lojista estabelece”, afirma Falzoni

Criada pelo empresário Permínio Moreira, de 70 anos, a startup se insere no mercado de inovação sem um aporte financeiro externo, contando apenas com parceiros como a gigante norte-americana First Data, dona das máquinas de cartão Bin que recebem o pagamento de usuários Ekko nos estabelecimentos, e da plataforma Multiplus.

Mais novidades à vista

A partir do próximo mês, o usuário Ekko terá um aplicativo gamificado, ou seja, que vai propor uma série de desafios que podem resultar em premiações até mesmo em pontos Multiplus, empresa parceira da Ekko. “Nosso usuário vai poder escolher entre ganhar maiores cupons de desconto ou acumular pontos Multiplus, por exemplo, seremos uma plataforma de vantagens completa para o usuário final”.

Como funciona

Ao baixar o aplicativo, o usuário cria uma conta e já começa ganhando 300 Ekkos, moeda do aplicativo, 200 pelo download e 100 pela criação da conta. A partir de então, são disponibilizados os estabelecimentos que oferecem o desconto. Graças ao algoritmo da plataforma, os preços variam de acordo com o horário, ou seja, sempre tem desconto. Ao indicar amigos, o usuário também ganha bonificação. Entre os estabelecimentos conveniados, estão padarias, lanchonetes, restaurantes, postos de gasolina e lavanderias, por exemplo. No app, também existe a possibilidade de pedir a sua comida com o desconto do Ekko.

O grande desafio da Ekko, segundo Falzoni, é vender a ideia nos estabelecimentos. A dinâmica do serviço, embora tenha muitas semelhanças com algumas plataformas do mercado, funciona de uma forma que, segundo o executivo, beneficia o comerciante de maneira real. “Ele paga imposto sobre o que ele vende, mesmo com o desconto, ele não precisa se preocupar com pós-venda nesse sentido quando se trata de clientes Ekko”.

Outro ponto destacado por Falzoni é a preocupação com a manutenção do cliente no movimento da loja. “Com o uso habitual do Ekko, notamos uma mudança no comportamento de consumo, pois quem economiza, também compra mais. O dinheiro que o cliente deixa de gastar numa compra que ele sempre faz, ele usa para fazer uma nova ou para melhorar a qualidade dos produtos que consome”, detalha.

Outras Matérias